Parceria ajuda no trabalho conjunto contra incêndios no Pantanal

Parceria ajuda no trabalho conjunto contra incêndios no Pantanal

Compartilhe este conteúdo:


Para contribuir no combate aos incêndios florestais no Pantanal, ONGs, entidades do terceiro setor e sociedade civil destacam a união e o trabalho conjunto que é realizado ao lado do Governo de Mato Grosso do Sul. Essa ação coletiva envolve articulação, capacitação, investimentos e planejamento dos próximos passos para proteger este bioma tão importante ao Brasil e mundo.

O trabalho conjunto é feito de forma contínua e começou lá atrás, com ações e planos de prevenção. Reativado desde 2017, o Comitê do Fogo é um dos espaços coletivos que tem a participação de todos estes entes (Poder Público e sociedade) para promover discussão, monitoramento, avaliação e prevenção aos incêndios florestais.

Diretor-executivo do SOS Pantanal, Leonardo Gomes, ressaltou que o momento é de unir esforços e que esta parceria com o Governo de Mato Grosso do Sul é fundamental. "Este é um ano especialmente preocupante em função da seca, mas o que temos diferente em relação a 2020 é a preparação, os recursos e pessoas capacitadas para responder a altura. O uso eficiente dos investimentos é que vai fazer a diferença", comenta.

Esta também é a avaliação do presidente do Instituto do Homem Pantaneiro, Ângelo Rabelo. Ele destacou que a soma de esforços é importante neste momento crítico. "Um trabalho em conjunto, reconhecendo o papel de cada ator, pois o nosso desafio é muito grande. Esse é o momento de juntar a capacidade técnica de cada um, com objetivo de ajudar o Pantanal".

Rabelo cita que foi feito um trabalho de prevenção e planejamento por parte do Governo do Estado, em conjunto com as ONGs e entidades da sociedade civil, mas que a questão climática surpreendeu a todos, já que o ponto crítico sempre fica para o segundo semestre, a partir de agosto.

Para o diretor institucional da Ecoa, Alcides Faria, o Governo do Estado tomou decisões importantes em relação a prevenção e combate aos incêndios, em um cenário e condições climáticas das mais difíceis que está ocorrendo no Pantanal.

"Com as informações disponíveis apresentadas por membros das secretarias e do Corpo de Bombeiros sabemos dos esforços que estão e serão desenvolvidos. Temos todos muito trabalho pela frente. A hora é de somar forças e continuar a luta em defesa do Pantanal", concluiu Faria.

O governador Eduardo Riedel descreve que desde janeiro o Estado já estava se preparando para enfrentar esta situação, por conta da condição climática adversa.

"Por esta razão desde o ano passado estamos se estruturando, com a compra de equipamentos, aviões, implantação de bases avançadas e helicópteros das forças de segurança à disposição. Agora é uma missão de todos, temos que nos unirmos, fazer uma força conjunta para este enfrentamento. As ONGs estão se mobilizando, temos ajuda dos produtores e de quem mora na região. É uma união em torno desta causa", ressalta Riedel. O investimento do Governo até o momento é de R$ 50 milhões nesse trabalho.

Está em execução a Lei do Pantanal, legislação inédita no bioma. Também há outras medidas de prevenção e fiscalização (incêndios florestais) no território pantaneiro em Mato Grosso do Sul. Imasul e PMA são os responsáveis por esse trabalho.

Uma das ações efetivas são as imagens de satélite para monitorar em tempo real o território sul-mato-grossense. Quando um foco de incêndio é detectado, a imagem é aproximada e busca-se informações sobre a propriedade do imóvel e em seguida é investigada a origem do fogo. As informações são da Agência de Noticias do Governo de Mato Grosso do Sul.

Foto: Divulgação/CBMMS

Compartilhe este conteúdo: